domingo, 27 de maio de 2012

O Ceramista Armando Correia

No dia 2 de Junho de 2012, pelas 17 horas, vai ter lugar no Casal da Eira
(Infantes - Salir de Matos) uma homenagem a Armando Correia, onde se pretende relembrar a sua obra de ceramista, desenhador, pintor, escultor e poeta.

Tive oportunidade de conversar algumas vezes com o Armando Correia, a propósito da sua passagem pela Escola Industrial e Comercial e do seu curso de cerâmica que conclui-o em 1955.
A última vez que o encontrei falámos sobre esta fotografia, onde ele aparece com outro colega de Escola que ele recordou com alguma saudade tratar-se de José Paulo Ramos dos Santos e que segundo ele vivia nas Canárias.


Armando foi um grande ceramista, um grande artista que nos deixou uma
obra digna de ser apreciada, pensada e falada. Por isso, alguns amigos
vão dizer e falar da ARTE POÉTICA DE ARMANDO na tarde do dia 2 de
Junho, com júbilo e com gratidão pelo que nos deixou.
Para quem nunca se cruzou com a sua obra, pode ver alguns exemplares
em espaços públicos das Caldas da Rainha, como piscina dos bombeiros,
Salão nobre da câmara e café Gato Preto.
Também será inaugurada uma exposição de fotografias sobre Armando Correia de Margarida Araújo.
Armando Correia (Armando José da Silva Correia)
(Caldas da Rainha, 1936 – 2008)

Armando Correia nasceu em Caldas da Rainha em 1936. Seu pai, Avelino Correia, devia o seu nome ao facto de ser sobrinho e afilhado de Avelino Belo, grande ceramista caldense, discípulo de Bordalo Pinheiro.
Aí, no ano de 1955, completa o Curso Técnico de Cerâmica. Curiosamente, o seu primeiro emprego, quando terminado o curso, não foi na cerâmica mas na nascente indústria do plástico, na Marinha Grande, onde, cerca de 30 anos depois, veio a leccionar um curso intensivo de cerâmica, muito concorrido, promovido pela recém-fundada Galeria de Arte Roca.
De 1960 a 1969 lecciona na Escola de Olaria e Cerâmica de Viana do Alentejo.
Expõe nos Salões da Primavera e Outono do Estoril onde obtém três primeiros prémios de cerâmica, medalhas de prata (1963 e 1965) e um 1º prémio de Salão (1967).
Em 1970 funda, com Leão Lopes, em Condeixa, o Grupo “Z-Atelier de Cerâmica” Em 1974 expõe em Coimbra.
Em 1975 trabalha no Departamento de Criatividade de uma fábrica de cerâmica em Espanha, tendo exposto
em Talavera de La Reina.
Em 1980 regressa definitivamente à sua terra natal.
Em 1984 expõe em Óbidos e Caldas da Rainha (GAT), seguindo-se, posteriormente, Marinha Grande (Galeria Roca), Coimbra (Teatro Gil Vicente) e outras localidades.
Em 2002 foi homenageado com a Medalha de Mérito, Grau Ouro, pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha, pela sua obra cerâmica. Também possui vasta produção artística no domínio da pintura.
A sua obra está representada no Museu do Azulejo e faz parte de colecções privadas quer no país, quer no exterior, onde expôs por diversas vezes, quer a título individual, quer integrado em colectivas.


Comentário:

Não posso afirmar, porque já passaram muitos anos, mas penso ter conhecido o Armando nos anos 59/60 quando nos tempos áureos do C.C.C. ele pintava os cenários para os espetáculos, e eu colaborava na iluminação e som.
A postagem que estou a comentar foi publicada no dia 27-05-2012. Amanhã dia 2 de Junho, em Salir de Matos, o artista e a sua obra vão ser lembrados. Para que este espaço não fique em branco e mesmo sem estar certo de ser este o Armando dos cenários, daqui presto a minha homenagem ao brilhante artista caldense.

Fernando Santos..........Olhão,,,,,,,,,,,27-05-2012


1 comentário:

Paulo Correia disse...

Confirmo que era o Armando Correia do CCC, afilhado de casamento do Quiné.