domingo, 11 de novembro de 2012

Quem se lembra do Prof. Luís Manuel Freitas da Silva Marques

A propósito de uma fotografia publicada no Blog em 2010, um comentário do Sanches referia o Prof. Luis Manuel Freitas da Silva Marques com esta pequena “estória”

...A referência que o Noronha faz à Dra. Mariana (também julgo que é ela na foto)traz-me à memória uma coluna que existia no jornal "A Bola" (não sei se ainda existe)que se intitulava "Hoje jogo eu". Certo dia, há cerca de 50 anos, lembro-me de ter lido, grosso modo, o seguinte:

Professor: Sabes que é o Yaúca?
Aluno: É um jogador do Belenenses que foi para o Benfica.
Professor: E sabes de onde é natural o Yaúca?
Aluno: É de Moçambique.
Prof.: E em que continente se situa Moçambique?
Aluno: Em África.
Prof.: E o que é Moçambique em relação a Portugal?
Aluno: É uma Província Ultramarina.
Prof.: E sabes quem é o Serafim?
Aluno: Sei, é um jogador do Porto que também vai para o Benfica.
Prof.: O Serafim vai do Porto para Lisboa de combóio. Qual é a linha férrea que toma?
Aluno: É a linha do Norte.
E por aí adiante...
O colunista acabava a sua crónica dizendo que estas perguntas tinham sido feitas num exame de admissão à Escola Ind. e Comercial Pero de Santarém pelo Director daquele estabelecimento de ensino Dr. Luís Manuel Freitas da Silva Marques e elogiava fortemente o método utilizado dado que, falando sobre a actualidade futebolística o professor inteirava-se, com toda a naturalidade, dos conhecimentos do aluno.
Este professor, que até hoje não vi referenciado no nosso blog, é nem mais nem menos que o nosso verdadeiramente extraordinário professor de Francês que, com os seus métodos invulgares para a época nos colocou, ao cabo do 1º ano, a manter uma conversação naquela língua.
Lembrei-me dele pela referência feita à Dra. Mariana porquanto, se bem me lembro, namoriscaram.
Não sei que é feito dele, mas tenho a certeza de que jamais será esquecido por algum dos seus ex-alunos.


Trago este post à “baila” porque um amigo, que não tenho o prazer de conhecer, hoje adicionou o seguinte comentário:

Tenho por hábito escrever na net nomes de amigos, pessoas conhecidas, na esperança de saber por andarão, se ainda vivem... e às vezes tenho sorte. Como agora, ao inscrever o nome de um antigo professor que tive no ciclo preparatório, e fui então enviado para este blog onde aqui li o nome desse professor, um dos poucos que me ocorrem, pessoa de excepcional classe como professor. Trata-se de Luis Manuel Freitas da Silva Marques. Foi meu professor de português na Escola Pedro de Santarém em Sete Rios, Lisboa, perto do Jardim Zoológico. Decerto já faleceu, mas se tal não sucedeu, gostaria de lhe dizer que se pela violência exercida contra crianças muitos professores que tive sempre desejei que ficassem um dia debaixo de um tractor, outro como Luís Manuel fica guardado para sempre pela gentileza que teve em compreender que os seus alunos eram seres humanos e não cães em quem habitualmente e ainda hoje muitos cães que não são humanos descarregam as suas iras.
Se souberem que Luis Manuel Freitas da Silva Marques está vivo, dêem-lhe um abraço por mim, hei-de lembrá-lo sempre.

Jorge Resende, Madeira-jbgresende@gmail.com

Comentários:

Fiquei muito contente por ter lido o comentário de Jorge Resende. O Dr. Luís Manuel Freitas da Silva Marques foi um professor absolutamente único. Para aqueles que, sendo meus contemporâneos, não se recordem do seu nome, direi que era o nosso professor de francês a quem, carinhosamente, apelidávamos de "macaquinho".
Gostaria de ler o Noronha e outros que ainda tenham memória dos seus excepcionais métodos de ensino.
Ao Jorge Resende prometo que vou tentar encontrá-lo.

Sanches................11-11-2012

Caros amigos.
Desde o dia 29 de outubro deste ano, e até há momentos atrás, graças à boa vontade do Zé Ventura foram publicados 12 posts com fotografias de antigos alunos. Com muita pena minha e certamente doutros curiosos, nenhum deles mereceu uma palavrinha de ânimo ou conforto para quem ao longo de quase 13 anos tem vindo a proporcionar não só o reencontro de antigos alunos espalhados por esse mundo fora, que de outro modo provavelmente jamais teriam oportunidade dum reencontro, como ainda o reavivar de memórias através das muitas histórias que aqui têm sido publicadas. Assim, espero que o comentário do Sanches publicado em 2010, permita satisfazer o pedido feito por Jorge Resende e ao mesmo tempo dar uma “forcinha” para que ao nosso blogue voltem aquelas histórias com que nos brindavam antes do aparecimento do Facebook.

Fernando Santos.........11-11-2012

De facto, achei interessante à referência no vosso blog ao professor Luis Manuel Freitas da Silva Marques. Hoje tenho 65 anos, e em 1958, ano em que fui aluno no ciclo preparatório, o professor seria pessoa para os seus 39, 40 anos, decerto já faleceu.

Não era um bom aluno, mas por o ter tido como professor de português, sinto que ajudou bastante a minha formação. Ele seria das Caldas da Rainha? Aguardo que algum leitor e seu amigo me dê mais alguma informação para matar a minha curiosidade. Um abraço, desculpem a ousadia de os maçar, mas foi uma coincidência interessante
Da Madeira ao vosso dispôr,

Jorge Resende………….12-11-2012

Não! O Dr. Luís Manuel não era das Caldas. Aliás, só cá esteve 1 ano lectivo (1956/1957).
Estou profundamente admirado com o silêncio dos meus colegas da época pois foi um professor que não é possível esquecer!
Vou tentar saber, junto da Escola Pedro de Santarém, se sabem do seu paradeiro!
Um abraço.

Sanches...................14-11-2012

Não é importante para o tema mas, o falecido António Fernandes, Iaúca no futebol, nasceu em Benguela em Angola.

Anónimo...........17-11-2012

 
O Dr.Luis Manuel Freitas da Silva Marques, veio da escola da Figueira da Foz com a Dra. Mariana e segundo se dizia na altura, eram namorados e também tive o previlégio de ter ambos como professores.
 O 1º, irrequieto,tinha um método de ensino que nos dias que correm, serviria como magnifico manual de aprendizagem. Era mais ao menos assim: "...amanhã o tema é a fruta...". No dia seguinte dividia a turma e era vêr quem vinha melhor preparado para a aula, porque. no "debate", ninguém queria perder. Na semana seguinte a turma ganhadora ía para a praça da fruta servir de " tradutor/a" entre os turistas e os vendedores. Para além de incentivar o francês, enchia o ego aos alunos!.Os que perdiam ficavam a estudar para pedirem a "desforra".
Da Dra. Mariana, obrigava a que os alunos fizessem calculo mental, com uma técnia que ainda não esqueci, como por exemplo: 150x150...utilizando o método do Dr. Freitas da Silva Marques. Estes sim, dignos de uma belissima homenagem.

Luisa Barbosa.......18-11-2012

1 comentário:

Jorge Manuel G.Domingues disse...

Se me lembro,jamais o esquecerei.Fui seu aluno em Língua História Pátria,no primeiro e segundo ano,na primeira e segunda turma.Nos anos em que frequentei a escola,ele lecionava as duas primeiras turmas de cada ano (se não me falha a memória,talvez nos anos 1959 a 1961).Apos uns anos de ausência do País,regressei e fui a Escola,para revê-lo mas já lá não estava.Sinto muita saudade desses anos e a ele,ao seu ensino,devo muito do que sei.Marcou-me muito positivamente.Recordo alguns nomes de outros Profs.:Má.Manuela Teixeira Lino,o Pr. "Picota",Mestre Mexia, o nosso Prof. De Religião e Moral a quem apelidávamos de "bananinha" Recordo também,naturalmente com muita saudade muitos colegas desses anos e dos quais nada mais soube.