domingo, 21 de fevereiro de 2010

O J´Quim Seringa”

Julgo que ninguém ficará ofendido com o título do “post” porque na verdade sempre foi assim que nós conhecemos o Prof. Joaquim Sarmento.

Recordo um episódio que ilustra bem a sua maneira de ser.
O Baile de Finalistas era um acontecimento a que as nossas gerações sempre deram muita importância, o meu em 1969, não fugiu à regra e foi preparado cuidadosamente para decorrer no ginásio da Escola como era habitual, o que não foi habitual foi o facto da Orquestra do Segundo Galarza dar lugar a um conjunto de “Yé-Yé” que estava a emergir “Os Charruas”.
Este facto criou no corpo docente alguma “resistência”, porém o Prof. Sarmento achou a ideia interessante e não “embarcou” na oposição.
Numa das noites estava eu com outros finalistas a ultimar as decorações para o nosso baile de finalistas, já a noite ia alta, apareceu o Dr. Sarmento com um saco de “papo-secos” quentinhos e manteiga, e claro foi uma festa.

Lembrei-me deste episódio porque há dias recebi um mail de um Familiar do Dr. Sarmento que transcrevo, e quem sabe se alguém tem a resposta para este amigo do Norte.

Tomei conhecimento pela net do artigo que escreveu, no Blog da Escola Industrial e Comercial das Caldas da Rainha, em 13 de Janeiro de 2008, sobre o Dr. Joaquim Manuel Abreu Sarmento. Dado ele ser meu parente, gostaria de entrar em contacto com eventuais descendentes. Sei que casou a 7 de Julho de 1937, com Maria Luisa de Albuquerque Pereira da Cunha (separaram-se judicialmente em 1962), e que faleceu na freguesia da Sé Nova, em Coimbra, a 24 de Agosto de 1984. Ignoro se teve filhos. Venho, por isso, pedir-lhe o favor de me informar se tem conhecimento de que tenha tido algum filho e, nesse caso, se sabe algo sobre ele.
Através do seu blog fiquei então a conhecer a engraçada alcunha com que era tratado pelos estudantes.

Agradecendo desde já qualquer informação, apresento os meus melhores cumprimentos

Francisco Serpa Brandão
(Porto)

Comentário:

Sim o D. Seringa tinha, se não estou em erro, uma filha e um filho que viviam em Lisboa. Lembro-me de ele ter ido ao funeral do pai que estava também em Lisboa. A perda do pai foi-lhe muito dolorosa e lembro-me de ele dizer que se tinha ido a pessoa que o amava de verdade e sem interesse, o que mosta que apesar de não parecer ,era uma pessoa muito só.

Paz a sua alma.

Alda Capinha......26-02-2010


Nas aulas era assim:

Olhaste em redor
Não ganhaste confiança
Tens uma falta

José louro da Costa........27-02-2010


Convivi muito com o Prof. Sarmento fora da Escola. Era uma pessoa afável e também algo ingénua - daí as partidas que lhe faziam e acabava tudo bem. Lembro que o Prof. colocou a sua casa da Figueira da Foz, ou talvez Buarcos, à minha disposição para passar férias que, contudo, não cheguei a aproveitar pelo que não sei agora dizer onde se situava exactamente. Lembro também de ele referir que o filho era embaixador.

Higino Rebelo........04-03-2010


Obrigado pelas informações prestadas. Fico agora com a certeza que o Dr. Joaquim Sarmento teve descendência e vou tentar, desde já, iniciar a pesquisa para a sua descoberta.

A referida casa de Buarcos seria provavelmente a mesma onde nasceu em 1908.

Bem hajam.
Francisco Serpa Brandão........08-03-2010


Posso ainda acrescentar que o Prof. Sarmento, efectivamente, tinha casa na Figueira junto ao Casino.

Higino Rebelo........16-03-2010

Sem comentários: