terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Será que estamos velhos?

O que mais dói, relativamente às palermices praticadas na minha juventude, não é havê-las cometido... é sim não poder voltar a cometê-las.
E com esta conclusão ficamos com a certeza que estamos velhos, os anos passaram por nós e nem sequer demos por eles. No entanto nós "Bordalianos", através do que tenho lido no nosso Blog, temos muito orgulho do que fomos, do que fizemos, e… pelo Blog que tem sido desenvolvido e alimentado por todos nós, concluímos, que continuamos a fazer… e que para isso em muito contribuí o seu mentor Zé Ventura que o lançou e nos deu as asas para voar.
Sinto, no entanto, que alguns, muitos, não querem "voar" e não nos acompanham neste "vôo" sabendo, porque recordo, terem essa capacidade.
Será por causa desta nova tecnologia?... não acredito!… e não acredito porque nós pertencemos a uma geração inventiva… hoje compra-se tudo feito… mas naquele tempo pouco havia feito e muito para inventar e criar e desenvolver.
Todos desejamos chegar à velhice e todos negamos que tenhamos chegado, (Velhos? Velhos são os trapos e blá…blá…blá, disfarces!). Isto dos anos não entendo muito bem, todavia foi bom vivê-los, embora menos bom tê-los, e… feliz é quem foi jovem na sua juventude e feliz quem sábio é na sua velhice.
Não, não tenho a pretensão de ser sábio mas convenhamos que sou muito mais sábio do que era nesses tempos e isso já ninguém me tira… bem só se for esse tal alemão Alzheimer… Ora sendo a maturidade do homem (ou mulher) voltar a encontrar uma serenidade como a que tinha quando era muito pequenino, convém também saber que nada passa mais depressa que os anos e principalmente reconhecer, e saber, que envelhecer é passar da paixão para a compaixão e o único meio de viver muito tempo.
Quando se passa dos sessenta são poucas as coisas que nos parecem absurdas, mesmo quando os jovens pensam que os velhos são bobos, nós, pela experiência da vida, sabemos que eles é que o são.
Este Blog veio demonstrar que há sempre um menino em todos os homens.
Quanta alegria, quanta saudade, quanto sorriso de felicidade brotou do nosso ser ao reviver-mos e ver-mos, através de fotografias, cenas do passado.
Em jovem andamos e caminhamos em grupo, em adultos em pares e agora em velhos andamos sós. Assim sempre foi, assim sempre será porque agora temos todo o tempo do mundo e os jovens têm todo o mundo para descobrir, só precisamos saber, para sermos mais felizes, que as iniciativas dos jovens valem tanto quanto a nossa experiência da vida.
Quantas vezes ouvimos aos mais velhos, "quando chegares á minha idade logo verás", bem, já cheguei a essa idade e não vejo nada, a não ser que a idade madura é aquela na qual ainda se é jovem, mas com muito mais esforço.
Tudo isto para concluir que afinal nunca se é velho…

A.Justiça

Comentários:

Bonito texto do Justiça, digno de uma aula de Sociologia. E no entanto quantas vezes ao ler noticias que me chegam do meu país apanho com frases deste tipo:

- O idoso teve isto ou aquilo...
Mais à frente noto que o fulano em questão tem mais ou menos 60 anos. Detesto dizer que isto aqui é que é bom, etc..etc..conhecem a canção tão bem como eu. Mas para os que não sabem, a geriatria aqui só se aplica bem depois dos 70 e mesmo isso...

Como exemplo, anualmente um dos jornais cá da praça tem um concurso cujo título é:
- Manequim, por um dia!
Sabem que tanto podem participar crianças com 4 anos, como adultos com 70 ? E as fotos de todos os participantes são publicadas sem qualquer tipo de descriminação.

Espero que numa das minhas próximas visitas à terrinha, nenhum desgraçado tenha o desplante de se dirigir à minha pessoa nesses termos, pois terá de me ouvir.

Mas a culpa é da sociedade em que se está inserido. Teria eu os meus 15 anos e numa boa futebolada na praia de Salir levei um encosto mais forte de um dos colegas mais velhos, que teria na altura cerca de 40. A reacção do miúdo que eu era foi esta: velho da porra!

É claro que levei um murro na cara, que na altura doeu, mas hoje acho que foi bem dado e até gostaria de saber quem mo deu, para lhe agradecer.

Isto tudo para concluir que vivo numa sociedade que tem um certo respeito pelas pessoas mais velhas, e que esse respeito passa muito pela forma como certos estereótipos são combatidos no dia a dia de cada um!

J.L.Reboleira Alexandre.........03-02-2010


AFINAL..........
SEMPRE HÁ JUSTIÇA EM PORTUGAL

Pelo menos no nosso blog, temos um A. JUSTIÇA, (que não tenho o prazer de conhecer), que com toda a justiça e propriedade, nos dá um conceito de velhice, de modo a chegarmos à conclusão que, estamos novos por estar vivos, e que a velhice....é uma grande "chatice".
Trocadilho à parte, amigo Justiça, estou de acordo consigo. Há velhos novos.... e novos velhos. Eu prefiro pertencer aos primeiros.
Quanto ao não haver muitos "velhotes" a acompanhar-nos, julgo ser justificável pelos contactos que tenho. Eis a razão:
O nosso blog tem poucos aderentes, mas os que aparecem a navegar, são marinheiros de alto mar. Navegam nas ondas maviosas de qualquer oceano, com vocabulário rico e bem sonante, pondo em sentido os que têm mais dificuldade em se expressar.
Faço um apelo aos colegas "escondidos". Estamos neste mundo para aprender uns com os outros, e é uma felicidade ter colegas que nos deliciam com a sua escrita.
Eu não tenho medo (nem vergonha) de aparecer, e como tal aqui estou. Cada um dá o que tem e a mais não é obrigado.

Um abração para a rapaziada do meu tempo, e não só.....

Mário Reis Capinha.....03-02-2010


Amigo Capinha
O que escrevo pouco ou nada tem de literário.
Definitivamente escrevo conforme falo. Talvez um pouco aos “arranques e paragens” … defeito meu mas também sei que não consigo ler Saramago, o homem escreve tudo de seguida, num fôlego e ás páginas tantas dou comigo a pensar… mas afinal o que está ele a dizer? É, é defeito meu. Não tenho intelectualidade suficiente para descortinar o conteúdo das palavras e muito menos das frases que elas formam.
Prefiro a escrita do Camilo. Terra a terra, sem sofismas e altos voos de performance literária. Sou assim, que se há-de fazer. Aturem-me se quiserem… se não quiserem, obrigadinho por este bocadinho e “by-by”.
E por outro lado, o homem também diz e escreve cada calinada que por vezes fico de boca aberta a tentar perceber como pode um “Prémio Nobel” meter-se em tamanhas alhadas. Feitios.
Já o Camilo e o Sousa Tavares e… outros, não são assim. Ainda bem. Que haja alguém a escrever para gente simples. Mas digam lá, sinceramente, a escrita para todos não é mais agradável?
Porquê lhaneza se o mesmo é simplicidade. A primeira só alguns sabem a segunda toda a gente sabe o que é. E convenhamos, é muito mais bonito e perceptível.
Gostei do seu apelo à escrita, lançado a todos e ouso fortalecer esse apelo através do que atrás escrevi. Simples... sem ser "simplex"...
Bem, bem, por outro lado quando estiverem fartos do que escrevo… aos repelões… digam e eu dou-vos o merecido descanso.

Que “chato” que o homem é!
Ai sou “chato”, então adeus, até ao meu regresso… aonde é que eu já ouvi isto?

A. Justiça.......03-02-2010


Uma boa prova de jovialidade de espírito é aceitar as inovações sem ficar amarrado ao consagrado. Há lugar para tudo e para todos: Camilo /Saramago e até o Sousa Tavares. Gostaria de acrescentar outros nomes, mas não saberia por onde começar nem por onde terminar. O passado e o futuro não são inconciliáveis. Passam sempre por um presente passageiro que, por vezes, até é o nosso. A principal qualidade da literatura é que não se impõe a ninguém. Só lê quem quer. Nada me impede de fechar um livro se o prazer de o folhear se me escapar. Os profissionais da crítica é que são obrigados a chegar até à última página. Só assim poderão tecer um juízo de valor justo. Com a escrita acontece o mesmo. Cada um escreve como sabe ou como lhe sai no momento. O segredo está em saber escolher o caminho mais agradável para uma actividade e para a outra. Tudo isto em plena liberdade. Espero que o Blog continue a funcionar sem constrangimentos de ninguém. O confronto de ideias e de estilos de o expressar só nos enriquecerá a todos. A leitura e a escrita não garantem a felicidade a ninguém mas dão uma satisfação imensa a quem as pratica sem preconceitos de espécie alguma.

Artur R. Gonçalves..........04-02-2010


Amigo Justiça, ser velho ou não ser, tudo depende dos olhos de quem nos vê. Quando me encontro com um colega "não digo colega do antigamente" porque assim estaria a dizer que sou antigo, mas sim colega dos meus tempos. Há sempre um ou outro que diz "eh pá estás com um aspecto porreiro, mas... há sempre um outro alguém que diz "eh pá os ares para onde foste deram cabo de ti e assim...por aí fora e esquecem-se que estão dentro do mesmo circulo, o que é bom pois assim ficam convencidos que ainda são ou estão jovens. Numa outra passagem do blogue pergunta-se a respeito do "aposentado, reformado, retirado, lá o que queiram chamar e isso é sinónimo da "ternura dos 60's " o que não quer dizer "velho". O amigo Reboleira diz que por estes lados do Atlântico só se é velho a partir dos 70's, mas eu embora não discordando, também não concordo 100% pois quando se trabalha numa empresa em que andam 100 "cães"a um osso levamos com o lindo "piropo", o que é que andas para aqui a fazer? Por vezes até são os jovens a quem nós demos toda a nossa sabedoria que já nos vêem como um entrave para a sua carreira. Para nós que já estamos nesta "ternura" é melhor seguir uma máxima de alguém que dizia " não contes os teus anos, mas sim faz com que os teus anos contem". Se reparar-mos bem, quando nos dizem para fazer algo, não será por vezes uma resposta da nossa parte "eh pá, já estou velho para isso"!. Eu por vezes não sei escrever simples ou complicado pois faltam-me certas palavras e tenho que fazer uma manobra para as substituir mas não quero dizer que não tente e o blogue tem sido uma grande ajuda. Eu venho muitas vezes ver o que há de novo, mas confesso estou sempre à espera que apareçam, alguns da minha geração e noto que há poucos e eu talvez saiba porquê. Durante muitos anos eu achava que não necessitava do computador pois era tudo em papel, até que um dia na empresa onde trabalhava, me foi dito que a partir de certa data tudo seria feito no computador e eu como encarregado teria que fazer ordens de material, ter as horas de todos que trabalhavam no departamento em dia e mais....Assim tive que aprender o mínimo para me desenrascar. Se não fosse isso e eu não estaria aqui neste momento a escrever . Certamente muitos dos meus colegas da época seguiram a lógica do não valer a pena e agora mesmo que queiram dizer algo não tenham essa facilidade. Sem mais podem saber que continuo a ser jovem de espírito e que viva o SPORTING mesmo depois da "cabazada" 5 a 2

Chaves .........05-02-2010

Nem mais amigo Chaves...: E que viva o Sporting...!!!

Acerca dessa ideia de que se é velho, eu devo dizer que me agrada mesmo muito ser velho e mais me agradará, poder dizer e ouvir...em cada ano que passa (se tiver essa sorte, que eu considero uma Graça de Deus...), que estou velho...
Pois estou, sorte a minha...outros que conheci e alguns foram colegas "dos nossos tempos..."...já cá não se encontram para dialogar connosco, resta-nos apenas, porque eramos seus amigos...mante-los vivos nas nossas memórias...!!
Um abraço para todos/as..

Maximino ............05-02-2010


A mais novinha faz 28 anos.
Meu Deus como o tempo passa.
Espera lá! Se esta faz 28 a mais velha já estará perto do 40! Mas se ela está perto dos 40 tu, tu… há muito que passaste os 60.
E repreendem-me elas quando digo, - Estás velho, meu velho.
Não sei porquê, elas se aborrecem comigo quando digo isto. – Oh pai tu não és velho! Não digas isso.
Claro que não. Mas é claro… já não sou velho… pois é, não, não sou velho sou sexagenário. Que alegria… já deixei de ser velho… mais uns anitos e passo a septu.
Chegarei lá? Não o melhor é saber se quando ele chegar ainda cá me encontra.
Se encontrar faço-lhe uma daquelas momices que fazia quando era menino… polegar no nariz e os outros bem esticados para cima e… nhã, nhã, nhã… nhã, nhã, chegaste atrasado… e cantarolando direi… eu já cá estava.
O que eu vou gozar com o septuagenário se isso acontecer.
Hei-de irritá-lo. Irritá-lo de tal forma que ele terá de me fazer esperar pelo octo para o largar de mão.
Aí eu tomarei a mesma atitude com o octogenário. Irritá-lo até…

A. Justiça........20-02-2010

Sem comentários: