sábado, 1 de janeiro de 2011

De arco e gancheta

Olá amigos!
Comentários adequados às fotos não poderei fazer pelo facto de não conhecer os intervenientes. Contudo por mim o Blog não morre, e, respondendo ao apelo do Chaves, escolhi este recorte das memórias da minha infância onde descrevo algumas "tolices" duma época que não foi boa, mas que hoje me ajuda a aceitar com alguma descontracção a tempestade que se aproxima.

...Nesse tempo ainda acreditava no Pai Natal. Era ele quem pela calada da noite depois de todos irem para a cama descia pela chaminé e nos trazia os presentes. Digo presentes, porque brinquedos não havia. Normalmente na bota (não havia sapato) apareciam sempre coisas de vestir. Meias, cuecas, uma camisola de lã feita pela minha mãe às escondidas, e pouco mais. Uma vez é que uma tia “rica” mandou pôr no meu “sapatinho” um pequeno carro eléctrico de lata, pintado de amarelo. Porém, houve um Natal que apareceu na chaminé uma pequena carroça de madeira e me disseram que era para levar a minha irmã a passear. Fiquei desconfiado, não acreditei, e fartei-me de fazer perguntas aos meus pais porque aquilo era grande de mais para caber num buraco tão estreito. Tanto insisti que por fim me contaram a verdade e lá fiquei a saber quem era o Pai Natal.

Algumas vezes, naquele período a minha mãe levava-me a Lisboa para ver as montras enfeitadas, e eu ficava deslumbrado frente a uma montra dos Armazéns Grandela que todos os anos expunha um comboio eléctrico em miniatura atravessando rios, pontes, túneis e montanhas. Se eu pudesse ficava ali o dia todo contemplando aquele brinquedo que me era inacessível.

Com o passar do tempo fui crescendo, e já em idade escolar continuava a brincar com outras crianças da minha idade. Como não tínhamos um Pai Natal para nos oferecer brinquedos, fazíamo-los nós.
Latas de conserva ou de pomada de engraxar sapatos vazias, serviam para fazer carrinhos com rodas em arame. Duas latas de farinha Nestlé furadas no fundo e ligadas por um extenso cordel davam para fingir de telefone.

Naquela idade, à nossa maneira éramos felizes. Qualquer coisa servia para nos divertir. Apanhávamos canas num canavial próximo e fazíamos corridas de cavalos com uma cana entre as pernas. Brincávamos às guerras empunhando espadas de cana para combater o inimigo. Também com duas compridas canas (eram de borla) atadas nas pontas e duas atravessadas ao meio, fingíamos andar de barco. Até inventámos um escorrega que me ficou bem gravado na memória! Estávamos no Verão, e, por de trás da casa do Furriel Monteiro existia uma rampa bastante inclinada com muita erva seca. Começámos a escorregar por ali abaixo com rabo sobre a erva que se foi deitando, e assim conseguimos um novo divertimento. Contudo, depois de tanto escorregar, as ervas foram desaparecendo dando lugar a uma rampa de terra poeirenta. Não me recordo o que aconteceu aos outros, mas lembro-me que ao chegar a casa e a minha mãe me viu com os calções esfarrapados no rabo, levei uma tareia que me serviu de emenda.

Outro brinquedo, era arco de ferro. Todos os rapazes o tinham. Fazíamo-lo rodar com um arame grosso em forma de gancho, a que chamávamos gancheta, e quando íamos a algum lado, corríamos atrás dele e fazia de conta que era uma bicicleta.

Morava em Caxias, e depois do exame da quarta classe feito em Oeiras tive de ir buscar o meu Diploma a Algés. A minha mãe não me deu dinheiro para o comboio, e eu, fingindo que não ia a pé, peguei no arco, e, de gancheta na mão, toca de correr pelo Passeio da Estrada Marginal. A Delegação Escolar situava-se no primeiro andar dum edifício no centro da localidade e, perante gente tão bem aperaltada é que me apercebi da figura ridícula com que me apresentei! Calções, Arco e Gancheta! Belos tempos...

Fernando Santos

Comentários:

Olá meus Amigos

Os meus sinceros e cordiais cumprimentos.

Depois destas festa passadas espero que as vossas baterias estejam recarregadas, para terem sempre boa disposição e alegria para participarem no blog.
Zé, li o texto do amigo Fernando Santos o qual não só gostei, com fez com que eu te mande uma foto minha, que tenho na minha secretária perto do computador para me recordar como as coisas eram e assim me faz manter focado no presente e no futuro com a esperança que as coisas não voltem para trás, ou melhor dizendo, não voltem, ao que era com pouca abundância de bens essenciais.
Como o amigo Santos diz e é certo com tão pouco havia muita felicidade, nós fazíamos os nossos próprios brinquedos e entretimentos para passar o tempo mais feliz. Embora este tema não fazer parte exactamente da nossa escola, mas também faz parte da infância de todos nós, que vivemos nessa mesma época e assistimos a tudo isto que o amigo Fernando Santos descreveu, uns com mais, outros com menos, mas todos passamos por esse tempo das nossas vidas, era o que tínhamos.
Envio esta foto que não tem a ver com os tempos da Escola mas é uma grande recordação de infância, foi tirada quando eu tinha 5 anos em frente da janela da casa onde vivi na cave do prédio do Viola, mesmo por de baixo dos “Pessas”, onde fomos muito felizes e amigos, que ainda dura essa amizade.
Tenho pena de não ter melhor veia para a escrita, mas gosto de ler todos os comentários escritos por ti e dos outros colegas também, vamos sentir a falta do falecido colega Alfredo Justiça, que escrevia tão bem, mas ainda temos o Maximino, o Fernando Santos, o Q. Chaves que também escrevem muito bem, mas há mais, têm é vergonha.

Zé desculpa eu ser tão chato e tentar escrever tanto e dizer tão pouco, mas sabes que sou um grande admirador e fã do teu trabalho e gostava de te dar mais apoio, mas falta me a instrução que deixei a meio, quando me ausentei para o estrangeiro.
ao contrário de vocês que têm e por isso vou ficando nas covas a apreciar o bom trabalho e dedicação dos outros.

Muita saúde e tudo de bom para ti e todos os Amigos

Antonio Abilio..........02-01-2011


Com os aros (era este o nome não ?) das rodas das bicicletas faziam-se corridas loucas, ladeira abaixo, ladeira acima. E, amigo A. Abilio, não sei se os sapatos foram só para a fotografia, ou era dia de festa, com meias pelo meio da perna e tudo. Muito chique mesmo. Devia ser mesmo dia de festa! Durante a semana não era assim lá no Chão da Parada.

O arco do F. Santos era mais dificil de obter e a guincheta então nem se fala. Para empurrar a roda do A. Abilio bastava um pequeno pau.

Bom Ano para todos com muita saúde e um pouco de neve pois já se está a ver de novo a relva nalgumas partes do quintal (esta é para o A. Abilio, e o Chaves, claro...)

J.L. Reboleira Alexandre ...........02-01-2011


Caro amigo J.L. Reboleira Alexandre, não me recordo se era dia de festa, mas para se tirar fotografias o mais provável ter sido, pois quanto á observação das botinhas (sapatos) eu até fui um felizardo naquele tempo, apesar de certas faltas que havia, o meu Pai foi Sapateiro antes de ser Carteiro e a minha Mãe era Costureira e por isso andava sempre, fortemente calçado com botas de sola grossa e cardadas, assim como a roupinha era a Mãe que a fazia calções normalmente para eu esfolar os joelhos e não rasgar as calças quando caia.
O J.L.R.A. tem razão, o meu Popó era um Aro um modelo especial de corrida, que era para aqueles que não tinham jeito para andar de gancheta, usavam um pau ou até uma cana curta e fina.
Tempos que já lá vão! Os filhos e os nossos netos perguntam agora que engenhoca é que aquela que o Pai ou o Avô tem na foto e assim temos assunto para um bocado instrutivo do tempo do Pé descalço, torna-se uma alegria mesmo assim.
Quanto ao tempo aqui, acho que vamos pagar esta falta de Neve, olhe o que aconteceu em Nova York e em toda a costa Este dos Estados Unidos, ela sabe o caminho está é em "back order"
Um abraço.

Antonio Abilio …….03-01-2011

Aqui mesmo ao lado, temos o blog do ERO e muitas vezes não são só as fotos que nele são publicadas, a darem azo a uma boa cavaqueira entre os seus ex- alunos e não só.
Nele já se falou sobre as aventuras dos carros que às escondidas esses mesmos alunos/as "tiravam" aos pais no sossego da noite e dos problemas que depois tiveram.
Das paixões pelas "motos",... Enfim um numero de "tolices" que agora recordam com saudades. Tudo isto foi nos anos 50/70, depois tudo se modificou e todas estas brincadeiras foram desaparecendo aos poucos no nosso mundo português. Possivelmente os ex-alunos da Bordalo e todos os outros que a não frequentaram e não tendo carros ou motos e até um simples brinquedo para brincar tiveram que recorrer à sua imaginação e digo que até fomos felizes. Quem não teve uma "fisga", a arma por nós idolatrada? O aro duma roda de bicicleta com o pau ou gancheta? (algo sofisticado) e lá íamos todos contentes com a mãe que ia lavar a roupa ao rio ou aos tanques que existiam em alguns lugares. É bom recordar todas estas coisas do passado para que não fiquem no esquecimento e os jovens do "agora" saibam como os seus pais mesmo sem grandes meios e uma guerra infeliz pelo meio resistiram para dar uma vida melhor a seus filhos (quando digo melhor, não quero dizer mais feliz), pois todos os dias o "deus dollar e agora o deus euro" perturbam a felicidade a muitos. Eu nasci na Rua das Vacarias, uma rua que era atravessada pela Calçada 5 de Outubro (Ladeira do Charuto) e do outro lado era a Rua da Ilha (rua de alcatrão de barro) que era o ponto de encontro da pequenada da área e apesar de por vezes se brincar (à pépilon), descalço, daí saíram grandes homens para o engrandecimento da nossa terra; "mecânicos, pedreiros, pintores, empresários, electricistas e tantas outras profissões. A Bordalo e o Colégio eram apenas parte da nossa cidade e arredores, mas além disso havia outro mundo que também deve de ser relembrado por todos nós.
Obrigado Fernando Santos por nos teres trazido algo que fez parte da nossa juventude.

J. Chaves ………………..03-01-2011

Meus amigos.
Ao que parece a minha gancheta ajudou a dar um pequeno empurrão no Blog.
O Mário Capinha sugeriu umas "tolices", eu peguei no arco, o Zé Ventura acrescentou a foto, e com as vossas ganchetas o blog ganhou velocidade.
António Abílio! Não tem instrução? Não se preocupe com isso homem! Venham mas é mais estórias (ou histórias)? que o pessoal de certeza vai gostar.
Todos sabemos que J. L. Reboleira escreve muito bem. Quem não recorda os extraordinários textos de A. Justiça? Sabemos não possuir o talento destes dois colegas, contudo julgo não ser vergonha vir aqui lembrar algumas peripécias do nosso passado, e ainda menos ocultar que vivemos na Rua das Vacarias ou na rua da Ilha. Foi nesta Rua, no Pátio do Ti Aníbal que às Segundas Feiras (dia de Mercado) servia de "garagem" para Burros, os meus pais alugaram uma pequena habitação quando fomos viver para Caldas.
Esperando não magoar os restantes intervenientes, devo salientar os textos de António Abílio e Joaquim Chaves que me fizeram recordar o tempo em que de calções esfarrapados e botas cardadas corríamos de Arco e Gancheta.

Fernando Santos............05-01-2011

Sem comentários: